Amazon no Brasil

Especialista analisa cenário hipotético para Amazon Motors no Brasil

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Depois de seis anos instalada no Brasil quase que exclusivamente como um marketplace, a Amazon inaugurou em 22 de janeiro último seu Centro de Distribuição, passando a ter um estoque próprio de 120 mil produtos a fim de operar como um ‘varejo tradicional’

A notícia, além de ter tido um efeito prático imediato impulsionando queda nas ações de alguns dos principais varejos online do país – como a B2W (dona de Submarino e Americanas.com), que caiu 3,26%; e Magazine Luiza, que regrediu 4,13% – representou um importante marco simbólico, sinalizando o alto interesse da gigante no mercado brasileiro.

A notícia, além de ter tido um efeito prático imediato impulsionando queda nas ações de alguns dos principais varejos online do país – como a B2W (dona de Submarino e Americanas.com), que caiu 3,26%; e Magazine Luiza, que regrediu 4,13% – representou um importante marco simbólico, sinalizando o alto interesse da gigante no mercado brasileiro.

 

Na ocasião, o presidente da Amazon no Brasil, Alex Szapiro, não demonstrou timidez alguma ao afirmar, em entrevista concedida ao jornal O Estado de S. Paulo, que, pensando no longo prazo, a empresa tem muito a fazer por aqui. “Digo o seguinte: fiquem sintonizados. Tenho certeza que, não só em 2019, como nos próximos anos, muita coisa vai acontecer”, afirmou à publicação.

Amazon no Brasil Ligia

Diante deste interesse, e do recente ingresso da empresa na locação de veículos, convidamos Lígia Novazzi, mestre em Economia pela Universidade de São Paulo e ‘Head de Pricing’ da Teros – empresa especializada em consultoria e definição de estratégias para a definição de preços – a projetar a política de precificação da Amazon em uma hipotética expansão do programa Amazon Motors para nosso território.

 

Segundo Lígia, uma conta simples mostra que a Amazon teria condições de muito facilmente igualar o atual preço mínimo de R$ 999,99 mensais oferecido pelo Programa Carro Fácil, da Porto Seguro. Isso porque o custo médio anual para uma pessoa física manter um carro popular é de aproximadamente R$ 12 mil, excluindo-se o combustível.

 

Algo que, levando em consideração o maior poder de barganha de um frotista na negociação de compra e manutenção dos automóveis, bem como o fato deste não sofrer incidência de impostos na revenda depois do período de locação para seu cliente (considerando a locação de veículos 0km), a Amazon conseguiria baratear significativamente a operação.

 

“É preciso considerar ainda que a Amazon, em todos os mercados que ingressa, costuma entrar com uma política de investimento sem lucratividade a fim de estabelecer um sarrafo alto na competitividade”, afirma Lígia.

 

Em números palpáveis, projetando que a Amazon opte por repetir a estratégia de preços utilizada na Espanha, barateando 30% o valor em relação aos principais concorrentes, chegaríamos ao custo mensal de R$ 699,99 na modalidade mais ‘popular’ oferecida no Brasil.

Por Lígia Novazzi, head de pricing da Teros

 

Texto publicado inicialmente no blog Novo Varejo.

Leia mais sobre o Mundo Open!

automação inteligente do pricing

Automação Inteligente de Pricing decide a venda em tempos de inflação

pricing automatizado no omnichannel

Pricing automatizado para o sucesso do omnichannel

Brasileiros confiam cada vez mais na LGPD e aderem ao compartilhamento de dados no Mundo Open